quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Machu Picchu: subindo a Huayna Picchu (Waynapicchu)

Você pode nunca ter ouvido falar em Huayna Picchu (jovem montanha, em quechua), mas ela é bem famosa! É aquela montanha maior à direita que aparece nas fotos clássicas de Machu Picchu. Ela está em todos os cartões postais, posts, revistas, sites e jornais por aí. E ela pode ser escalada, mas somente por alguns poucos sortudos por dia. Dá pra perder essa? Não, né?



Machu Picchu abre às 6h da manhã, chegamos lá umas 5h30 e já estava uma fila bem grandinha. Quanto mais cedo chegar, melhor. Você consegue ver o local ainda vazio, sem muitas pessoas disputando o melhor espaço para tirar uma foto. Entramos, andamos uns 2 minutos, e já vimos aquela vista linda de cartão postal logo de cara! Vimos tudo bem por cima e já fomos direto para a entrada da Huayna Picchu, pois compramos ingresso para subir logo no primeiro grupo, às 7h da manhã.

SUBINDO A HUAYNA PICCHU
Primeiro de tudo, se você quiser subir a Huayna Pìcchu, é necessário comprar o ingresso “Machu Picchu + Huayna Picchu” no site oficial do governo com antecedência (eu comprei 3 meses antes). Não é possível comprar lá na hora, somente 400 pessoas por dia sobem a montanha e esse ingresso esgota super rápido. Vale dizer que escalar a Huayna não é para qualquer um. Se você tem medo de altura ou dificuldades de locomoção, não passará nem da metade (de verdade). A subida é de aproximadamente 290 metros, e em geral, se leva 1h30 para subir e 1h30 para descer, dependendo do seu ritmo.

Na entrada, todos precisam deixar o nome e o horário de entrada anotado em um caderno, e na saída você anota o horário que deixou o local. É um controle para saberem se todos saíram no fim do dia.

A entrada da Huayna Picchu





O começo da trilha é bem tranquilo, dá para caminhar sem esforço. Você até pensa que tudo o que leu antes era um exagero. Mas logo começam a aparecer escadas e mais escadas. Tinha degrau alto, baixo, largo, estreito, liso, irregular. Eram degraus de todos os tipos, mas em alguns pontos tem um corrimão de corda na lateral para se apoiar. Pra ajudar, a altitude é cruel, eu ficava sem fôlego a cada 15 minutos e dava uma paradinha na escada mesmo, mas tem gente que nem sente e vai até o fim sem descansar. Até resolvi ilustrar esse momento com uma foto (aí embaixo).

Eu, mooorta, descansando e recuperando o fôlego.



Conforme você vai subindo, a vista vai ficando mais bonita. Dá pra ver o rio Urubamba virar só um fiozinho, as ruínas de Machu Picchu ficando pequenininhas, e as nuvens (sim, nuvens) ficando lá pra baixo. Sem falar da vista das montanhas em volta.

Machu Picchu vista lá de cima



Em alguns pontos, você precisa passar com muito cuidado, senão você simplesmente cai de lá de cima no precipício. Aí você se pergunta: é perigoso? Sim, é perigoso. Mas só é perigoso para os imprudentes! Se você vai com calma, no seu ritmo, sem se arriscar, não tem perigo. O perigo é levar um tombo sem querer. Mas respeite os seus limites que vai dar tudo certo.

Elton, meu amigo imprudente (mas sobreviveu).



Continuando a subida, uma hora você chega em um túnel estreito, praticamente um buraco no chão. Eu, que tenho 50 kg, achei bem claustrofóbico. Mas é bem curtinho e não é nenhum problema passar por lá. Logo depois, a gente vê uma passagem com pedras amontoadas. Quando passar por elas, você sabe que está quase chegando!




Eu comecei a achar mais fácil subir da metade pra cima. No começo eram escadas e mais escadas. Mas a partir do meio, escadas e caminhos retos se alternavam mais, e você ainda encontra alguns platôs no meio do caminho. E depois de uns poucos minutos de caminhada a mais, de repente você percebe que CHEGOU NO TOPOOO!




O topo da montanha são só pedras, exatamente como se vê na foto. Você pode se perguntar: "tudo isso pra ver umas pedras?". Mas pensa bem, o que importa não é o que tem no topo, é o que viu durante toda a jornada até lá. A vista de lá de cima nem é das melhores, mas quando você olha em volta, você percebe que está no meio das NUVENS! Não é neblina, são nuvens. A atmosfera lá em cima é simplesmente incrível! E também tem aquela coisa de missão cumprida, cheguei viva! \o/

Aí vem a descida. Temos que voltar, não é? Na subida você não vê que atrás existe um precipício, mas na volta sim! É um pouco assustador, em alguns momentos você tem que descer de bundinha. Mas pensando pelo lado bom, pelo menos cansa menos e a vista continua incrível!






Vale a pena subir a Huayna Picchu?
Absolutamente SIM! Eu saí de lá acabada, suada, com dores musculares, joelho doendo, mão ralada, meio suja, mas a experiência de subir esta montanha é indescritível. É um perrengue? Sim, do começo ao fim. Mas é um perrengue que vale super a pena pela vista magnífica, pelas pessoas que você conhece no caminho, e pela experiência em si que é passar por essa aventura. Garanto que você não vai esquecer desse momento tão cedo. Não é fácil chegar em Machu Picchu, então se você chegou até lá, aproveite para viver Machu Picchu por completo. O meu conselho é: se você tem condições físicas de subir a montanha, não tem medo de altura e quer viver uma experiência única, VAI SIM!

Yes, we did it!









Posts relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...